Na estação…

Para quem não sabe, a Estação das Doca é um dos locais mais aconchegantes da cidade e arrisco até a dizer que é meu predileto. Na estação tive uma montanha russa de memórias, talvez fosse conveniente ter a memória apagada como em M. I. B. Mas imagina só… O quanto perderia de lições dessas experiências?

Naquele lugar encontramos e criamos os momentos mais incríveis: assistir a um pôr do Sol, marcar a reunião mais importante do dia ou só um date simples mesmo. A minha leitura disto é que o ambiente gera pequenos infinitos particulares a cada situação que não ouso escolher outro lugar para outros eventos. Parece que cada visita apenas é uma vírgula na história da Estação onde certamente escrevemos histórias emocionantes.

Afinal quem nunca veio aqui e saiu com as memórias mais marcadas do que aquelas ao som da música preferida? Sim, escolho a música porque sei o quão voláteis são os momentos. Então vai lá saber se já não tem uma playlist para você aqui.

Nesse vento de calmaria penso que poderia ter uma rede estendida por aqui – quem já sentiu a brisa sabe do que estou falando. A vista, também, não fica atrás: é de deixar o coração palpitando de admiração ver a chuva chegando vagarosamente. E quem não queria ter esse poder para a vida? Quem dera se a vida fosse assim: passível de observar o que de bom e de ruim se aproximam. Mas na real mesmo? Acho que não teria nenhuma graça viver assim.

O gostoso de viver é toda essa inconstância: ela que nos obriga a compreender que nem tudo controlamos e que em algumas vezes só nos resto apreciar, pegar o ritmo e aprender o compasso da canção.

Falando de música novamente, já tentou vir para cá e apreciar a playlist que toca ou a voz de quem canta em cima daquelas engrenagens? Se não há alguém que pense em cada detalhe é; então, o destino ajustando as situações – se é que ele existe. Só sei que quanto mais venho aqui mais me surpreendo com essas canções que enfeitam os momentos.

É claro, não são apenas maravilhas. Lógico que tem os momentos tristes daqui. Vi términos, brigas, confissões terríveis e lágrimas que se dependessem do sentimento transbordariam a baía. Parece que quando esses momentos acontecem, toda a música sai do ritmo e tudo desafina por um momento que parece não ter fim.

Estava tão legal, né? Entretanto, a chegada da melancolia é certa.

Tente namorar um pouco nesse cenário, todavia não aquele ou aquela crush, mas sim a sua companhia. Te faço esse convite, quem sabe sintas o mesmo que eu: é uma sensação de borboletas no estômago quando sabemos dessa companhia interior (não deixa de tentar, por favor!).

Espero que cada guindaste da Estação das Docas um quê especial enfeite e te proporcione as melhores sensações, que a cada vagão te apareçam sorrisos de ordem crescente e, se não for um dia legal, tome um sorvete ou uma cerveja; o que seu coração precisar mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s